Com Consultoria Green Building do CTE, Edifício Wtorre JK – Torre São Paulo conquista certificação Leed® for Core & Shell

O edifício comercial WTorre JK – Torre São Paulo, concebido pelo Grupo WTorre com consultoria do CTE em Green Building para implantação dos projetos sustentáveis, conquistou a certificação LEED® for Core & Shell do United States Green Building Council (USGBC), na categoria GOLD, em dezembro de 2010.

A certificação com base na norma LEED® (Leadership in Energy and Environmental Design) avalia e reconhece as soluções e tecnologias sustentáveis adotadas no projeto e na obra para reduzir os impactos ambientais de uma edificação, considerando o núcleo do edifício, todas as áreas comuns e as fachadas da edificação.

O empreendimento localizado na Marginal Pinheiros, na cidade de São Paulo, e atualmente conhecido como edifício Santander, é considerado o maior edifício monousuário do Brasil e um exemplo de sustentabilidade, segundo Eduardo Yamada, Gerente de Sistemas Prediais e Energia do CTE, que gerenciou pelo CTE a consultoria deste projeto para a certificação.

“A partir da decisão de não se demolir e sim aproveitar a estrutura de concreto abandonada desde 1994, que fazia parte de um antigo projeto do edifício da Eletropaulo, evitou-se um enorme impacto da geração de resíduos e poluição do entorno e reduziiu-se significamente o consumo de materiais para a construção de uma nova edificação”, observa Yamada. 
 

  

DIFERENCIAIS DO PROJETO WTORRE SP QUE POSSIBILITARAM A CERTIFICAÇÃO LEED 

MATERIAIS E RECURSOS

No total foi aproveitado cerca de 93% (em área) da estrutura existente (lajes e vigas) da edificação, sendo que os 7% dos resíduos gerados com a demolição para fins de ajuste de projetos foram utilizados no calçamento da Praça do Povo, localizada ao lado da Torre SP. Com esse aproveitamento da demolição, juntamente com a coleta seletiva apropriada dos demais materiais da obra, o empreendimento conseguiu destinar mais de 50% (em volume) dos resíduos para centros de reciclagem legalizados.  

Além disso, de todo o material aplicado na obra, 16% (em custo) dos materias possuem conteúdo reciclado e 28% (em custo) foram extraídos, beneficiados e adquiridos localmente, numa proximidade de até 800 km.    

TERRENO SUSTENTÁVEL

O empreendimento se encontra próximo a áreas residenciais e há pelo menos 10 tipos de serviços básicos diferentes e disponíveis na vizinhança do terreno, tais como: restaurantes, bancos, farmácias, entre outros.

A região é servida por um amplo sistema de transporte coletivo, composto por linhas de ônibus e trens urbanos, a menos de 600m do empreendimento.

Visando reduzir a poluição e os impactos do desenvolvimento gerados pela utilização de veículos, o número mínimo de vagas de estacionamento não supera o valor mínimo exigido pela legislação local. Além disso, foram destinadas vagas preferenciais para veículos movidos/abastecidos a GNV ou álcool.

Visando reduzir as ilhas de calor no entorno para minimizar o impacto no microclima e no ambiente urbano, foi utilizado pavimento com cores claras na implantação do térreo.

O empreendimento contempla o uso de pintura branca na laje de cobertura, que contribui para a redução das ilhas de calor e transmissão da radiação solar para os pavimentos mais elevados, proporcionando conforto térmico.

O projeto arquitetônico comtempla elevada concentração de áreas abertas e áreas vegetadas, com objetivo de criar ambientes agradáveis e de “descompressão”.

Foram adotadas diretrizes de prevenção e controle de poluição das atividades de construção, reduzindo os impactos ocasionados dentro e fora da obra. Dentre as medidas, destacam-se: construção de lava-rodas para evitar o carreamento de poluentes aderidos nos pneus e rodas dos veículos antes da saída do canteiro; construção de valas de captação ao redor de toda obra, interligadas às caixas de decantação e sedimentação de resíduos e poluentes carreados pelas águas pluviais, para posterior recalque à rede de drenagem pública; e aplicação de britas nos acessos para evitar a poluição do ar.

Com o processo de Certificação LEED®, foi obrigatória na fase de obras a contratação de um agente de comissionamento, responsável por acompanhar o fornecimento e instalação de todos os equipamentos que consomem energia dos sistemas prediais, fazendo com que tudo o que foi fornecido e instalado esteja de acordo com o que foi conceituado e especificado em projeto, o que trouxe benefícios e eficiência das instalações não só ao empreendedor e à administração predial, mas também credibilidade técnica dos projetistas e instaladores.   

SISTEMA HIDRÁULICO

O empreendimento possui entrada única de água potável da SABESP, com sistema de filtragem particular e posterior armazenamento nos reservatórios inferiores localizados no 2º subsolo e posterior recalque aos reservatórios superiores, para distribuição por gravidade aos pontos de consumo de toda a edificação.

Fora os reservatórios de água potável, existem reservatórios inferiores e superiores de água aproveitada (não potável) que armazenam as águas pluviais da cobertura e água condensada dos equipamentos de ar condicionado (unidades evaporadoras), após passar por um sistema de filtragem e tratamento dessas fontes.

As águas aproveitadas são utilizadas para todas as bacias sanitárias, mictórios do edifício e sistema de irrigação do paisagismo do térreo. Além disso, 100% das bacias sanitárias estão interligadas no sistema de esgoto a vácuo central. Com isso, além de se utilizar água não potável nas bacias, existe a elevada redução de consumo dessa água, sendo 1,6L por descarga, ao invés de 6L em bacias com caixas acopladas convencionais.

Nos pontos de consumo foram especificados metais economizadores, como: torneiras das pias de todos os sanitários e válvulas de mictórios com fecho hidromecânico.

A tecnologia de esgoto a vácuo, aproveitamento de águas (pluviais e condensadas) e o uso de metais de baixo consumo proporcionou uma redução no consumo de água potável em torno de 70% em relação à norma norte americana EPAct 1992 (Energy Policy Act de 1992), que institui parâmetros racionais e eficientes de consumo de energia e água em edificações. 

SISTEMA DE AR CONDICIONADO

O Sistema de Ar Condicionado da TORRE SP é baseado no sistema direto, composto por unidades condensadoras com a tecnologia de Volume de Refrigerante Variável (VRV®) da fabricante DAIKIN, com resfriamento (condensação) à água. O grande benefício desse sistema se encontra na otimização do consumo de energia dos equipamentos de ar condicionado em função da variação da demanda térmica ocasionada pela variação de ocupação e das condições externas (insolação, temperatura e umidade externa, etc.). Logo, o consumo de energia dos compressores das condensadoras será variável em função das reais condições demanda térmica de resfriamento da edificação, racionalizando o consumo energético.

Além disso, o sistema de rejeição de calor das unidades condensadoras é composto por circuito de água de condensação, que é mais eficaz na troca de calor em relação ao sistema a ar. Este sistema de condensação ainda é composto por equipamentos de rejeito de calor instalados na cobertura do tipo “Dry Cooler”, que são caracterizados por radiadores a ar, nas quais circula a água de condensação do circuito fechado de água dos condensadores VRV®. Além disso, existem aspersores de água junto aos radiadores com objetivo de aumentar a eficiência da rejeição de calor em condições extremas de demanda do sistema de ar condicionado e do clima externo.

Foi utilizado gás refrigerante do tipo HFC (hidroflúor carbono) em todas as unidades condensadoras-evaporadoras, sendo o R-410a, que apresenta baixo potencial de impacto na camada de ozônio. Nas tomadas de ar principal do edifício e em todas as máquinas de insuflamento de ar (evaporadoras VRV®) foram instalados filtros padrão G3, do tipo manta, com objetivo de melhorar e manter a qualidade do ar interno. 

SISTEMA ELÉTRICO

O empreendimento TORRE SP possui uma única entrada de energia em Média Tensão — M.T. (34.500V) —, portanto com medição única pela ELETROPAULO, e distribuição em M.T. para 3 subestações de rebaixamento internas (380/220V), sendo duas na cobertura do edifício e outra no subsolo. Cada subestação possui 2 transformadores a seco de 2.400 kVA, podendo ser utilizados como sendo 1 principal e 1 reserva em cargas parciais, ou os 2 operantes em carga total.

O sistema possui Grupo Motogeradores que atendem 100% da carga demandada, tanto para as áreas comuns (elevadores, ar condicionado, iluminação e tomadas, etc.) como para as privativas. São compostos por geradores a diesel que geram energia em tensão trifásica 480/277V (estrela), sendo posteriormente elevada através de transformadores a 34.500V, para sincronismo com a rede interna em M.T.

O projeto elétrico foi dimensionado para atender ao requisito da ASHRAE 90.1-2004, em relação à queda de tensão, sendo adotado o limite máximo de 2% de queda de tensão para circuitos alimentadores de todos os quadros finais (QL’s e QF’s) e 3% para circuitos terminais, objetivando a menor perda de tensão em trechos com maior passagem de corrente elétrica.

Em todos os Quadros Gerais de Baixa Tensão (QGBT’s) das subestações foram instalados medidores eletrônicos que monitoram cada sistema predial por uso final das áreas comuns. Logo, existem medidores que medem separadamente o consumo de energia de elevadores, o consumo dos ventiladores/exaustores das garagens, o consumo de bombas hidráulicas, o consumo de iluminação/tomadas das áreas comuns, o consumo das condensadoras e evaporadoras VRV® do sistema de ar condicionado, etc. Todos os medidores estão integrados no Sistema de Automação Predial do empreendimento, com o objetivo de armazenar os dados dos medidores para posterior criação de histórico de consumo, necessário para a aplicação do Plano de Medição e Verificação exigido pela Certificação LEED®. Com este plano, a Administração Predial terá condições de não somente monitorar, mas principalmente elaborar metodologias contínuas de acompanhamento das medições para estabelecimento de metas de racionamento de energia.

Com o processo de Certificação LEED®, foi elaborado uma Simulação Computacional de Eficiência Energética com o objetivo de avaliar o desempenho da arquitetura (Envelope) e dos equipamentos dos sistemas prediais que consomem energia. A simulação indicou que o empreendimento é 10% mais eficiente (em relação a custo) se comparado a um modelo de mesma geometria, porém com parâmetros de equipamentos e sistemas de elevada eficiência estabelecidos pela ASHRAE 90.1-2004. 

SISTEMA DE AUTOMAÇÃO E SUPERVISÃO PREDIAL (SASP)

O Sistema de Automação e Supervisão Predial da TORRE SP é composto por uma Central de Automação e Supervisão Predial localizada no mezanino do térreo, além de todos os equipamentos de campo, dentre Controladoras Lógicas Programáveis (CLP) da HONEYWELL, rede de comunicação e instrumentos de campo (sensores e atuadores), instalados ao longo do empreendimento.

Este sistema tem como principal objetivo otimizar a operação das instalações prediais de modo a monitorar e controlar as variáveis dos sistemas prediais, de modo a auxiliar na eficiência e performance dos mesmos, além de monitorar parâmetros para procedimentos de manutenção preventiva e corretiva ao longo da operação predial.

Encontram-se integrados no Sistema de Automação Predial da TORRE SP, os seguintes sistemas prediais, juntamente com suas respectivas variáveis de monitoramento e controle: Sistema Elétrico, Sistema de Ar Condicionado, Sistema e Interfaces de Sistemas.  

SISTEMA DE SEGURANÇA ELETRÔNICA PATRIMONIAL E DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

O Sistema de Segurança Patrimonial é composto por um Sistema de Circuito Fechado de Televisão (CFTV) com a utilização de gravadores digitais de vídeo (DVR) de última geração e câmeras analógicas de alta sensibilidade.

Integrado ao sistema de segurança, encontra-se, também, o sistema de controle de acesso, com a instalação de catracas eletrônicas (pessoas) e cancelas (veículos) no térreo, para controle de entrada e saída dos usuários, além de leitoras eletrônicas de proximidade em todos os acessos a ambientes restritos e estratégicos das áreas comuns (áreas técnicas, administrativas, etc.).

Próximos a todos os dispositivos de controle de acesso (cancela, catracas e portas com leitoras), foram instaladas câmeras do sistema de CFTV, de modo que haja monitoramento e registro contínuo dessas áreas.

O Sistema de Detecção e Alarme de incêndio é do tipo “inteligente” e totalmente endereçável, com a aplicação de detectores de fumaça, acionadores de alarme de incêndio, módulos eletrônicos de monitoramento e comando, todos endereçáveis e integrados na Central de Detecção e Alarme de Incêndio, localizada na Central de Automação e Segurança. Com essa concepção, todos os detectores encontram-se “mapeados” e identificados na central de modo que em caso de sinistro, a tomada de decisões será mais rápida e precisa, já que a identificação do local do sinistro será exata.       

FICHA TÉCNICA 

WTORRE Empreendimentos Imobiliários: Incorporadora

WTORRE Engenharia: Construtora

CTE — Centro de Tecnologia de Edificações: Gerenciadora da Certificação LEED®

ARQUITETONICA e ORBI: Projetista de Arquitetura

THERMOPLAN: Projetista de Ar Condicionado e Ventilação Mecânica

MHA: Projetista Elétrico e Hidráulico

MINGRONE: Projetista Luminotécnico

ISABEL DUPRAT: Projetista de Paisagismo

OUTSOURCE: Agente de Comissionamento

TEMON: Fornecedora e Instaladora dos Sistemas Elétricos e Hidráulicos

STARCENTER: Fornecedora e Instaladora do Sistema de Ar Condicionado e Ventilação Mecânica

CONTROLLER BMS: Fornecedora e Instaladora do Sistema de Automação Predial, Detecção e Alarme de Incêndio, Controle de Acesso e CFTV