Unesco declara Cais do Valongo Patrimônio da Humanidade

Marco da herança africana no Rio de Janeiro, o Cais do Valongo agora é Patrimônio da Humanidade. O Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) avaliou a inscrição do sítio arqueológico na 41ª reunião anual da organização, que aconteceu neste domingo (9), em Cracóvia, na Polônia.

Inaugurado em 1811, o cais foi o principal ponto de desembarque de escravos africanos nas três Américas.

O Brasil recebeu cerca de quatro milhões de escravos em mais de trezentos anos, o que equivale a 40% de todos os africanos que chegaram vivos nas Américas entre os séculos 16 e 19.

Destes, aproximadamente 60% entraram pelo Rio de Janeiro, sendo que cerca de um milhão deles pelo Cais do Valongo.

Em 1911, o Cais do Valongo foi aterrado e redescoberto 100 anos depois, durante as obras para a Olimpíada do Rio.

"A cidade do Rio é importantíssima na constituição da cultura brasileira, com sua mistura e diversidade", disse o secretário de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação, Indio da Costa.

Arqueólogos do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), órgão vinculado à SMUIH e presidido por Augusto Ivan, estão fazendo o levantamento dos, aproximadamente, 500 mil itens que foram encontrados nos locais durante as intervenções. As peças, que incluem adornos, objetos, amuletos e ossadas, estão na Vila Olímpica da Gamboa.

O Sítio Arqueológico do Cais do Valongo é considerado o mais importante vestígio material, fora da África, do tráfico atlântico de africanos escravizados, expressando material e simbolicamente um local que representa um registro da ação criminosa contra a humanidade.

O Cais do Valongo agora está no mesmo patamar da cidade de Hiroshima, no Japão, e do campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, classificados como locais de memória e sofrimento.

Unesco reconhece 20 patrimônios do Brasil

Neste ano, 26 locais foram indicados a patrimônio cultural, sete a natural e um a patrimônio mundial misto.

A organização reconhece 20 patrimônios culturais e naturais no Brasil (clique aqui e veja quais são). Um deles é o conjunto de reservas do Cerrado, formado pelos parques nacionais das Emas e da Chapada dos Veadeiros, que ficam em Goiás. Esse conjunto está na pauta para ser avaliado.

O principal problema é que o perímetro de proteção da Chapada dos Veadeiros diminuiu nos últimos anos. Os técnicos do Patrimônio Mundial recomendaram que, até fevereiro deste ano, o governo federal garantisse a preservação da área, mas isso não ocorreu.

Agora, os parques podem ser declarados em estado de risco e sair da lista do patrimônio. Há um mês, no entanto, o presidente Michel Temer assinou decreto ampliando a área de preservação em quase quatro vezes, passando de 65 mil para 240 mil hectares.

A reportagem procurou o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), órgão do governo federal responsável pelos parques nacionais, mas não obteve retorno.

A reunião do Comitê do Patrimônio Mundial termina no dia 12 de julho.

Fonte: UOL, Notícias,09/07/2017